Florianópolis, 22 de novembro de 2017
Search
Ocupação Contestado, em São José (SC), completa dois anos

Ocupação Contestado, em São José (SC), completa dois anos

Reportagem:

Reportagem: Matheus Lobo, Júlia Rohden e Camila Rodrigues
Fotografia: Matheus Lobo

Há dois anos, mais de 100 famílias ocupavam um terreno que estava ocioso por três décadas e meia, situado na região da Serraria, em São José (SC). Nascia, na madrugada daquela quarta-feira, a Ocupação Contestado.

Os ocupantes estavam sem teto desde que foram despejados de outra área pelo então prefeito Djalma Berger. Na época, ele havia prometido legalizar a situação das famílias, no entanto, depois ter perdido as eleições, autorizou a remoção violenta. Diante da presença de 210 policiais fortemente armados, helicóptero e retroescavadeiras, os moradores tiveram uma hora para sair. Máquinas destruíram os barracos com os pertences dentro.

O crime eleitoral rendeu a Berger inelegibilidade por oito anos.

Após o despejo, os moradores conseguiram alojamento no Ginásio Municipal do Jardim Zanelatto, após negociação junto à secretaria de assistência social e da secretaria de segurança pública de São José. Lá, ficaram por 28 dias, sem conforto, privacidade e em condições precárias de saneamento básico e alimentação.

Sem soluções do poder público, no dia 7 de novembro de 2012, as famílias ocupam um terreno abandonado nos arredores do próprio ginásio.

Com apoio das Brigadas Populares, do MST e do Coletivo Anarquista Bandeira Negra, os moradores da Ocupação Contestado ergueram suas casas, se organizaram e resistiram às ordens de despejo dos primeiros dias. A comunidade se organiza em torno três quadras, subdivididas em núcloes menores. Semanalmente, são realizadas assembleias, com voz e voto para todos.

Hoje, depois de dois anos de mobilização, a comunidade segue lutando por um projeto habitacional que ofereça moradia digna e acesso à cidade para as famílias. As negociações envolvem a prefeitura de São José, a Superintendência do Patrimônio da União (SPU), o Ministério Público e a Caixa Econômica Federal.

Noite de festa

No fim da tarde de sexta-feira, 7, a comunidade já começava a se preparar para celebrar seu segundo aniversário. Com direito a bolo gigante, exposições fotográficas e exibição do vídeo reportagem produzido pelo MARUIM, a surpresa da noite ficou por conta de um carro de mensagem contratado por um morador. A homenagem foi dupla: à esposa Patrícia e à Ocupação Contestado.

Depois do fala do locutor oficial, um morador apelidado de “Mil Grau” destinou um rap no improviso à prefeita de São José, Adeliana Dal Pont. Em seguida, o funk rolou solto, para alegria da criançada e dos adultos, que relaxavam bebericando vodka com energético.

Além disso, a ocupação recebeu a visita de militantes do MST e de agentes da Cáritas Brasileira, entidade de promoção social ligada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Eles que proporcionaram um dos momentos mais emocionantes da festa, ao presentear as famílias com um banner gravado com o primeiro símbolo da ocupação e os dizeres: “aqui se respira luta”.

Confira abaixo alguns momentos da festa registrada pelo MARUIM